domingo, 20 de junhoAs principais notícias do Brasil e do Mundo
Ao contrário de SP, Florianópolis está há um mês sem mortes de COVID-19

Ao contrário de SP, Florianópolis está há um mês sem mortes de COVID-19

Há 29 dias Florianópolis (capital de Santa Catarina) não apresenta um caso de morte devido o Coronavírus, indo na contramão de São Paulo, que nas últimas 24 horas apresentou 327 mortes. A última morte apresentada em Florianópolis foi no dia 4 de Maio.

No dia 13 de Abril, o Governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, liberou o funcionamento do comércio. Por outro lado, o prefeito de Florianópolis Gean Loureiro mantém o transporte público desativado desde 19 de Março, onde acontecem as maiores aglomerações.

Essa atitude de desativar o transporte público foi essencial, pois obviamente em cidades grandes muitas pessoas dependem da locomoção, e é aí onde o contágio da doença se agrava.

O transporte público deverá retornar gradualmente a partir do dia 17 de Junho, com até 40{9ab1f49caa7384e3fe9cdad0b4e1c6e013b2d24c1c0da282957337aa35422bc6} de lotação.

Além disso, as aulas nas escolas também estão suspensas desde 19 de Março. A prefeitura distribui vale-refeição para cada família que tem crianças matriculadas na rede municipal.

Para as pequenas empresas, foi oferecido crédito a juros zero, o que reduziu o impacto no desemprego no período e deu um impulsionamento para que as empresas não quebrem.

Como dizem as estatísticas, em média os empresários brasileiros tem capital para sustentar seus negócios durante 29 dias, por isso muitas empresas infelizmente quebraram nesse período em todo o Brasil.

O Secretário Municipal de Saúde, Carlos Alberto Justo da Silva, disse que um dos motivos que auxiliou no baixo número de mortes em Florianópolis foi a testagem de todos casos suspeitos, independentemente da gravidade dos sintomas.

“Nunca testamos apenas os casos complicados ou apenas aqueles que chegam no hospital. Testamos quem tem sintomas mesmo que não seja grave. Também testamos os contatos destas pessoas e assim conseguimos fazer o isolamento”, explica Silva.

Esse foi um método correto e efetivo, que funcionou muito melhor que em São Paulo. Óbvio que na capital paulista o número da população é extremamente maior, mas as medidas restritivas (quase ditatoriais) que foram implementadas não resolveram muito – basta olhar os números.

O importante é que em breve possamos todos passar por essa crise e voltarmos ao novo normal.

Fonte: Folha de São Paulo e G1

Compartilhe!