quarta-feira, 25 de novembroAs principais notícias do Brasil e do Mundo
Após STF proibir ações policiais nas favelas, traficantes expandem territórios no Rio

Após STF proibir ações policiais nas favelas, traficantes expandem territórios no Rio


Em Agosto, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que a polícia do Rio de Janeiro não poderia realizar operações nas favelas.

A liminar concedida pelo Ministro Edson Fachin só permite que sejam realizadas incursões em comunidades em “hipóteses absolutamente excepcionais”.

Esta liminar foi concedida no âmbito da ADPF (Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental) 635, movida pelo PSB com o apoio de diversas instituições da sociedade civil e da Defensoria Pública do Rio.

A ação pede que o Supremo declare inconstitucionais diversas práticas corriqueiras na segurança pública do Rio, e determine mudanças nas operações policiais, como por exemplo a proibição do uso de helicópteros como plataforma de tiro.

Com esta decisão, os traficantes estão aproveitando o momento da pandemia para expandir seus territórios e impor mais regras a população de bem.

Em São Gonçalo, a situação está caótica:

“Hoje (22/9) é aniversário de São Gonçalo, porém não temos nada a comemorar. O tráfico de drogas está tomando conta da nossa cidade e as autoridades estão paradas”, desabafou um morador.

Além de bailes, pegas de motocicletas e a venda livremente de drogas em plena luz do dia, os traficantes estão concretando as barricadas, para fazer com que os obstáculos temporários virem definitivo, diz o jornal O São Gonçalo.

O morador disse também que as barricadas estão afetando o transporte público:

“Em função da violência até os ônibus estão sendo afetados. Se eles fecham as vias principais, os ônibus não conseguem passar. Já temos dificuldade para nós locomovermos de carro, imagine sem os ônibus. Precisamos de ajuda. A polícia precisa atuar na nossa região. Agora, a gente clama pela retirada das barricadas, porque, sinceramente, esperar que a polícia enfrente o tráfico já não acreditamos mais”.

Fonte: O São Gonçalo, UOL