segunda-feira, 18 de outubroAs principais notícias do Brasil e do Mundo
Bolsonaro denuncia que relatório do TSE confirma que urnas eletrônicas foram invadidas

Bolsonaro denuncia que relatório do TSE confirma que urnas eletrônicas foram invadidas

Nesta Quarta-feira, 4 de Agosto, o Presidente da República Jair Bolsonaro concedeu entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, juntamente com Deputado Federal Filipe Barros.

Ambos explicaram que as urnas eletrônicas podem ser fraudadas, ao mostrar um inquérito que foi aberto pela Polícia Federal.

Segundo o parlamentar, em Novembro de 2018 um hacker comunicou ao site TecMundo que havia invadido o sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No e-mail, o homem afirma que as falhas e vulnerabilidades de aplicações desenvolvidas pelo próprio TSE facilitaram o acesso remoto ao sistema. A partir disso, foi possível acessar a rede interna do TSE. Como resultado, obteve acesso a diferentes máquinas do órgão eleitoral.

Dentro do sistema, o invasor conseguiu acessar códigos-fontes, documentos sigilosos e credenciais, como o login de um ministro-substituto do TSE e de diversos técnicos de informática ligados à alta cúpula de tecnologia da informação do órgão eleitoral.

Em Novembro do mesmo ano, a Ministra Rosa Weber, então Presidente do TSE, solicitou à Polícia Federal (PF) a abertura de um inquérito para investigar as alegações do invasor.

O Tribunal Superior Eleitoral admitiu que houve registro de invasão de seu sistema por meio do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Pernambuco.

Segundo a Polícia Federal, descobriram que o hacker conseguiu acesso aos sistemas do TRE da Paraíba e do Rio Grande do Norte, fazendo conexões através de uma VPN (Rede Virtual Privada), sendo que um desses acessos foi com o login do coordenador de infraestrutura do TSE.

Em suma, o hacker conseguiu acessar sistemas criptografados e a rede interna do Tribunal Superior Eleitoral.

O TSE também diz que o hacker teve acesso ao portal de sessão de voto informatizado, ou seja, onde encontra-se o código-fonte das urnas eletrônicas.

Isso significa que se o código-fonte for alterado, o sistema inteiro pode ser modificado, de maneira que a adulteração de votos torna-se possível.

O TSE reconhece que o servidor estava acessível a todos, permitindo a cópia de todo o código-fonte.

Entretanto, a grave denúncia feita pelo Presidente Bolsonaro foi que o Tribunal Superior não enviou o arquivo log, que detém todo o histórico do sistema. A solicitação desse envio foi feita pela Polícia Federal.

O então Ministro-substituto que teve a senha roubada alegou ao delegado da PF que não tinha como repassar os dados à Polícia Federal porque eles foram apagados pela empresa terceirizada que faz a manutenção do TSE.

Resumindo, o arquivo mais importante para que a Polícia Federal pudesse encontrar todo o histórico do sistema do Tribunal Superior Eleitoral foi apagado e possíveis adulterações ficaram impossibilitadas de serem rastreadas.

Assista ao programa Os Pingos Nos Is na íntegra:

Fonte: Revista Oeste

Compartilhe!

Este conteúdo está protegido contra plágio.