domingo, 29 de novembroAs principais notícias do Brasil e do Mundo
Candidato a vereador do Partido NOVO diz que o tráfico nem devia ser crime

Candidato a vereador do Partido NOVO diz que o tráfico nem devia ser crime


Um candidato a vereador pelo Partido NOVO fez uma declaração nas redes sociais que gerou muita polêmica.

Conforme já noticiamos aqui no site, o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello liberou no Sábado, 10 de Outubro, um dos chefões do PCC.

André do Rap foi preso por tráfico de drogas e saiu pela porta da frente da penitenciária de Presidente Venceslau, São Paulo.

O candidato a vereador Marcelo Castro, do Partido NOVO, fez uma declaração em seu Twitter que gerou muita polêmica.

Ele disse que o tráfico nem devia ser crime:

“O tal do “André do Rap” tava preso temporariamente há um ano.
A lei é clara: prisão preventiva por mais de 90 dias tem que ser fundamentada. Não foi. Acerta MAM.
Ademais, o cara foi preso por tráfico, não por assassinato ou latrocínio.
Tráfico nem devia ser crime.”

Instantaneamente, sua publicação gerou muita repercussão, e após a polêmica o candidato se retratou:

“Muita gente falando que o tal do “André do Rap” era um chefão do PCC.
Eu não sabia. Com esse nome, achei que era vendedor de droga de baile funk.
Vi as matérias agora, parece grave. Neste caso, há claro risco à garantia da ordem pública.
Me retrato pelo tuíte anterior.”

Hoje, um dia após sua publicação original, Marcelo disse que considera a descriminalização das drogas o “melhor caminho”:

“Não defendi o PCC nem nada nesse sentido — por óbvio.
Penso que a guerra às drogas falhou miseravelmente, portanto, penso que a descriminalização com conscientização é o melhor caminho.
Defendo o estado democrático de direito.

Foi apenas isso que tentei dizer nos tweets anteriores, mas não fui bem compreendido e, como foi por muita gente, fica óbvio que a falha na comunicação foi minha.
Faço a mea culpa.
Aproveito ainda para agradecer o debate vibrante, acho isso essencial numa democracia.”

Fonte: Marcelo Castro (via Twitter)