segunda-feira, 18 de outubroAs principais notícias do Brasil e do Mundo
Hashtag #ForaSantaCruz fica em alta após Presidente da OAB ter seu nome ligado a propina

Hashtag #ForaSantaCruz fica em alta após Presidente da OAB ter seu nome ligado a propina

Comentamos mais cedo que o ex-presidente da Fecomercio do Rio de Janeiro, Orlando Diniz, afirmaou em delação premiada nesta semana que ajudou a financiar de modo não declarado a campanha de Felipe Santa Cruz à reeleição da seccional do RJ em 2014.

De acordo com Orlando Diniz, o Presidente da OAB chegou a assinar contrato de R$ 120 mil com a Fecomercio na época da campanha à reeleição do comando da OAB-RJ.

Conforme noticiado pela CNN Brasil, o delator disse que este acerto era de fachada, e os serviços previstos no acordo de 120 mil nunca foram prestados, e o dinheiro foi todo para a campanha de Santa Cruz.

Em nota, o delatado negou as acusações.

“O presidente do Conselho Federal da OAB, Felipe Santa Cruz, rechaça com veemência as ilações mentirosas dessa delação fantasiosa. Ressalta que nunca pediu qualquer tipo de apoio para campanha da Ordem ou negociou qualquer serviço com o senhor Orlando Diniz.”

Nesta Quarta-feira, 9 de Setembro, a hashtag #ForaSantaCruz ficou em alta nas redes sociais com esta acusação.

Além disso, recebeu diversas críticas nas redes sociais:

Leia abaixo os esclarecimentos que Felipe Santa Cruz publicou em seu Twitter:

“Vivi para ver meu nome envolvido em uma denunciação caluniosa. O delator? Pessoa que EU processei, como advogado de instituições que o criminoso lesou. Ficou obrigado a restituir 58 milhões a clientes meus. Agora, em meio a 50 anexos (!!!) de delação, veio a retaliação.

Meu compromisso: acompanhar as investigações para garantir que sejam escancarados: a origem da mentira e os interesses por trás dela. Delação é um instituto que precisa vir acompanhado de provas; notícias sobre delação precisam ser cuidadosas. Sabe por que?

Porque a delação não pode ser transformada em uma chance para criminosos desviarem o foco dos seus crimes e aproveitarem os holofotes para atacar reputações de seus inimigos, desafetos e (como neste caso) até mesmo de advogados que JÁ OS VENCERAM em processos importantes.

Vou processar MAIS UMA VEZ o “delator”, agora em nome próprio e por denunciação caluniosa. A única forma de ele fazer desaparecer a calúnia é opondo a “exceção da verdade”, ou seja, provando o que disse. Fica EXPRESSAMENTE desafiado a fazê-lo.

Meu pedido: tão logo seja escancarado que esta mentira foi fabricada para me atacar (quem CONFESSA 50 anexos de crimes pode muito bem incluir algumas “delações por encomenda”…), você, que encaminhou a notícia para seus amigos, por favor, encaminhe também o desfecho. Obrigado.”

Fonte: Revista Oeste, Felipe Santa Cruz (via Twitter)

Compartilhe!

Este conteúdo está protegido contra plágio.