quarta-feira, 21 de abrilAs principais notícias do Brasil e do Mundo
João Doria ironiza Bolsonaro e diz que sua popularidade só dura até setembro

João Doria ironiza Bolsonaro e diz que sua popularidade só dura até setembro

O Governador de São Paulo, João Doria, ficou conhecido por ser um ávido crítico do Presidente Jair Bolsonaro. Há algumas semanas, Doria disse que o Brasil fica melhor com Bolsonaro “quieto”:

“Esse período mais quieto do presidente, com menos polêmica, é bom, é saudável para o Brasil.”

João Doria também deu a sua opinião sobre o Ministro da Economia Paulo Guedes, e torce pela sua permanência no governo. Para ele, Guedes é o “garantidor do teto de gastos”:

“Se não fosse ele, Guedes, Bolsonaro já teria rompido o teto e feito o que a ex-presidente Dilma Rousseff fez”, afirmou Doria.

Na última semana, o tucano também falou que o Chefe do Executivo “flerta com o autoritarismo”:

“A democracia, Presidente Bolsonaro, é mais forte que o senhor. Ela já resistiu em tempos recentes, a outras ameaças, e resistirá ao senhor também, com seu ímpeto de flertar com o autoritarismo. São Paulo, e eu, em especial, estarei sempre ao lado da democracia, da verdade e da liberdade de imprensa.”

Desta vez, João Doria disse que a popularidade do presidente Jair Bolsonaro é passageira. Veja abaixo o que disse o Governador de São Paulo:

“É efêmero, porque é sazonal, vai durar até setembro”, disse em referência ao prazo em que será pago o Auxílio Emergencial.

“A população brasileira é uma população pobre, e se empobreceu ainda mais na pandemia. Quando você coloca um auxílio emergencial com 600 reais, isso muda a perspectiva de vida dessas pessoas. Estamos falando de 90 milhões de pessoas recebendo 600 reais por mês. Não estou dizendo que não mereçam receber, mas este gesto, sendo do governo federal, contribuiu para melhorar a avaliação do presidente da República”

Doria disse que 30% do que chamou de “bolsominions, extremistas, que defenderão Bolsonaro em qualquer circunstância”, ao mesmo tempo que foi duro ao criticar o que classificou de “populismo” durante a pandemia.

“É muito grave transformar a pandemia num instrumento populista de geração de renda com recursos do Tesouro”, disse.

Fonte: Gazeta Brasil

Compartilhe!