quinta-feira, 29 de julhoAs principais notícias do Brasil e do Mundo
João Doria quer convencer outros governadores a implantarem a vacina chinesa nos Estados

João Doria quer convencer outros governadores a implantarem a vacina chinesa nos Estados

Nesta Quarta-feira, 8 de Dezembro, aconteceu uma reunião entre o Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e governadores dos Estados brasileiros.

O tema da reunião tratou exclusivamente da vacinação contra a Covid-19, principalmente falando da Coronavac, imunizante da China que está sendo produzido no Butantan.

O Governador de São Paulo, João Doria, está defendendo veementemente a vacina chinesa, e está tentando convencer outros governadores a implantarem em seus Estados o imunizante.

Nas redes sociais, João Doria falou sobre a reunião de hoje:

“Participei há pouco de reunião com o Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e Governadores para tratar sobre o Plano Nacional de Imunização. Ressaltei a importância de deixar de lado questões políticas e ideológicas quando o assunto é salvar vidas.

Outros Governadores que participavam da reunião também questionaram o motivo pelo qual a Coronavac não está incluída no Plano Nacional de Vacinação até o momento. Precisamos salvar vidas no Brasil.

Fiz um apelo ao Ministro da Saúde Eduardo Pazuello para que tenhamos atitude e senso de urgência para vacinar os brasileiros. Precisamos de todas as vacinas. A cada dia, cerca de 600 pessoas morrem no Brasil pela COVID-19.”

Durante a reunião, o Ministro Pazuello deixou bem claro que a vacina não é do Estado de São Paulo, e sim do Butantan, e ela só será incluída no Plano Nacional de Vacinação após testes e aprovação da Anvisa:

“Já falei para todos os governadores: a vacina do Butantan não é do estado de São Paulo, é do Butantan. Não sei porque o senhor fala tanto como se fosse do estado. Ela é do Butantan. É a maior fabricante de vacina do nosso país. E é respeitado por isso. O Butantan, quando concluir o seu trabalho e tiver com a vacina registrada, nós avaliaremos a demanda e, se houver preço, vamos comprar. Os registros são de cartório e havia uma demanda, havendo preço, todas as condições serão de nossa compra”.

Fonte: Gazeta Brasil

Compartilhe!