quinta-feira, 22 de abrilAs principais notícias do Brasil e do Mundo
Luciano Huck diz que quer sair da zona de conforto e afirma que o país “não tem projeto”

Luciano Huck diz que quer sair da zona de conforto e afirma que o país “não tem projeto”

O apresentador Luciano Huck participou de um evento chamado Global Retail Show 2020, e aproveitou a ocasião para fazer algumas críticas ao Governo Bolsonaro.

Como já comentamos aqui em outras ocasiões, sempre que o apresentador da Globo tem uma oportunidade, ele critica o Presidente Bolsonaro ou o Governo Federal.

Desta vez, Huck disse que “a gente não tem projeto”:

Meu papel é potencializar as ideias, a gente não tem projeto. Posso contribuir convocando minha geração para o debate público, atraindo as melhores cabeças para o debate. Não ser uma figura passiva, sair da zona de conforto”.

Apesar de desconversar sobre o assunto de potencial candidatura para 2022, Luciano Huck afirmou que quer participar e contribuir do debate público:

“Ninguém é rico no Brasil enquanto houver tanta desigualdade. Não quero me acovardar em achar que eu tenho a solução, ou pelo menos posso apontar para ela e ficar na minha zona de conforto, na minha casa, protegido nos muros da minha casa. Eu estou no debate público, eu acho que isso não quer dizer que é candidatura de nada, a qualquer coisa neste momento. Eu quero participar e contribuir do debate como eu puder. Neste momento, há uma convocação geracional de que a gente tem que se aproximar da política”.

As declarações de Luciano Huck geraram algumas críticas nas redes sociais, como por exemplo do Presidente do PTB, Roberto Jefferson:

“Luciano Huck disse que o Brasil “não tem projeto”, se referindo ao governo, e que quer “contribuir para o debate”, “sair da zona de conforto”. Um primeiro passo pra sair desse conforto seria vender a ilha e o jatinho. Outra contribuição: parar com o discurso hipócrita dos globais”

Há alguns dias Luciano Huck também criticou Bolsonaro dizendo que havia muita “bateção de cabeça” na liderança do país:

Fonte: Estadão

Compartilhe!