quarta-feira, 27 de janeiroAs principais notícias do Brasil e do Mundo
Mesmo sem vacina aprovada, Ministro Ricardo Lewandowski exige do Governo datas da vacinação

Mesmo sem vacina aprovada, Ministro Ricardo Lewandowski exige do Governo datas da vacinação

O Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski deu um prazo de 48 horas para que o Ministério da Saúde apresente as datas de cada etapa do Plano de Vacinação contra a Covid.

“Intime-se o senhor ministro de Estado da Saúde para que esclareça, em 48 horas, qual a previsão de início e de término do Plano Nacional de Operacionalização a Vacinação contra a covid-19, inclusive de suas distintas fases. […] Intime-se também o senhor advogado-geral da União”.

O Ministério da Saúde informou que se manifestará nos autos do processo, no prazo estabelecido, assim que for notificado.

Neste Sábado, 12 de Dezembro, o Ministro divulgou o documento de 93 páginas que enviou para o Ministério da Saúde na Sexta (11) fazendo o requerimento do planejamento da vacinação.

Com assinatura do Ministério da Saúde, foi publicado nesta semana o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, com a previsão de imunizar 51,4 milhões de pessoas no primeiro semestre de 2021. Entretanto, o documento não apresentou uma data para início das operação de vacinação.

Sobre a falta de datas no documento, o Ministério da Saúde informou que não é possível apresentar um calendário exato porque ainda não existe no Brasil uma vacina aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Apresentar uma data, especificar um imunobiológico e apresentar informações sem a devida identificação de uma vacina aprovada pela Anvisa não condiz com as práticas de segurança e eficiência do Programa Nacional de Imunizações da pasta, que não trabalha com fulcro em especulações desprovidas de confirmações técnicas e científicas”, justificou o Ministério da Saúde.

Apesar disso, o Ministro Ricardo Lewandowski exige uma data e em breve teremos mais novidades acerca do assunto.

Fonte: Agência Brasil

Compartilhe!