quinta-feira, 29 de julhoAs principais notícias do Brasil e do Mundo
Ministro Alexandre de Moraes manda fechar 17 perfis de apoiadores do Bolsonaro

Ministro Alexandre de Moraes manda fechar 17 perfis de apoiadores do Bolsonaro

Nesta sexta-feira, 24 de Julho, o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes mandou o Twitter bloquear as contas de investigados no controverso inquérito das fake news.

Veja abaixo o que o Ministro falou acerca do fechamento dessas contas:

“O bloqueio de contas em redes sociais, tais como Facebook, Twitter e Instagram, dos investigados apontados no item anterior ‘1’, necessário para a interrupção dos discursos com conteúdo de ódio, subversão da ordem e incentivo à quebra da normalidade institucional e democrática”.

Em nota à imprensa, o Twitter disse que “agiu estritamente em cumprimento a uma ordem legal proveniente de inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF)”.

O site Renova Mídia reuniu os perfis do Twitter que foram bloqueados pelo Ministro:

Confira a lista parcial de perfis suspensos pelo Twitter:

  • Roberto Jefferson
  • Allan dos Santos
  • Bernardo Kuster
  • Edgard Corona
  • Edson Salomão
  • Luciano Hang
  • Marcelo Stachin
  • Otavio Fakhoury
  • Reynaldo Bianchi Júnior
  • Rodrigo Ribeiro
  • Sara Giromini

Alguns parlamentares que apoiam o inquérito das fake news comemoraram a decisão de Moraes. Veja o que disse o deputado Nereu Crispim:

“O ministro Alexandre de Moraes está tirando a sensação de impunidade em relação aos que acham que podem usar as redes sociais como instrumento de chantagem, calúnia e difamação. Comparo essas plataformas que permitem o anonimato a uma arma de fogo raspada que é utilizada para cometer crimes e dificultar a punição.”

A senadora Katia Abreu também se pronunciou:

“Decisão judicial não se discute, se cumpre. Determinadas pessoas se sentiram muito à vontade no anonimato das redes para destruir pessoas sem assumir nenhuma responsabilidade. Esse tempo de impunidade acabou. Todos terão o bônus de dizerem o que quiserem, mas irão assumir o ônus das consequências.”

Fonte: Renova Mídia

Compartilhe!