terça-feira, 1 de dezembroAs principais notícias do Brasil e do Mundo
Ministro Gilmar Mendes participa de live com o MST e critica Bolsonaro

Ministro Gilmar Mendes participa de live com o MST e critica Bolsonaro


Em uma live recheada de pessoas da oposição ao Governo, e principalmente “inimigas” do Presidente Jair Bolsonaro, o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes esteve presente na live promovida pelo Movimento Sem Terra (MST).

Veja abaixo algumas das “figuras ilustres” que participaram da live:

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), e os presidente do PT, Gleisi Hoffmann, Carlos Lupi (PDT), Carlos Siqueira (PSB), Luciana Santos (PCdoB) e Juliano Medeiros (PSOL), além de parlamentares dos partidos, os ex-ministros da Justiça Tarso Genro e José Eduardo Cardozo, de presidentes des centrais sindicais e apoiadores do MST, como o cantor Chico Buarque.

Gilmar Mendes aproveitou para fazer alguns discursos em crítica ao Presidente Bolsonaro, principalmente no que tange o uso da Hidroxicloroquina, defendida pelo Chefe do Executivo e por todos do Governo que estão usando o remédio para o tratamento.

Mendes criticou Bolsonaro dizendo que ele defendeu a “utilização de placebos ou de falsos medicamentos” no combate à pandemia de Covid-19. Ao defender a ação da Corte durante a pandemia, o magistrado disse: “Era preciso que se levasse a pandemia a sério.”

O Ministro também disse que graças ao Tribunal (STF), que o número de casos da Covid não foi maior:

“O Tribunal mostrou de forma clara que o federalismo cooperativo da Constituição Federal devia ser respeitado. Tenho a impressão de que, se não fosse a decisão do Tribunal, muito provavelmente estaríamos flertando com um quadro de maior gravidade do que aquele que estamos passando, em que só estamos atrás dos Estados Unidos em números absolutos de mortes e de casos, um quadro constrangedor.”

Utilizando de uma fala semelhante à de Lula, que comparou os números da Covid-19 com a bomba de Hiroshima, na segunda guerra mundial, o líder do MST João Pedro Stédile também fez críticas ao Presidente Jair Bolsonaro:

“O Brasil vive a pior crise de sua história, pois aglutinou uma crise política, uma crise ambiental e uma crise de saúde pública, com mais de 100 mil brasileiros mortos, como se a bomba de Hiroshima tivesse caído sobre nós, pois outros países de mesma dimensão territorial enfrentaram a pandemia com muito menos custo social”, afirmou o líder do MST João Pedro Stédile, que participou do encontro. Ele afirmou ainda que “temos um governo federal ocupado por um homem que usa métodos fascistas”.

Fonte: UOL Notícias