quarta-feira, 29 de setembroAs principais notícias do Brasil e do Mundo
Ministro Kassio Nunes defende voto auditável e diz que esta é uma “preocupação legítima”

Ministro Kassio Nunes defende voto auditável e diz que esta é uma “preocupação legítima”

Conforme temos noticiado, o voto impresso auditável tem estado em alta entre as discussões políticas nas últimas semanas.

O assunto ficou ainda mais “quente” quando o Presidente da República Jair Bolsonaro fez uma live no dia 29 de Julho e denunciou supostas fraudes eleitorais que aconteceram e questionou o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Luís Roberto Barroso, sobre a confiabilidade das urnas eletrônicas.

Após isso, no último Domingo, 1 de Agosto, o Brasil contou com manifestações pelo país todo com centenas de milhares de pessoas pedindo mais transparência nas eleições, uma vez que em 2022 haverá eleições presidenciais e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva poderá ser o maior rival de Jair Bolsonaro, após o STF ter liberado o petista de todas as condenações no âmbito da Lava-Jato.

Embora o Poder Judiciário esteja quase todo contra o voto impresso auditável, o Ministro Kassio Nunes Marques, indicado de Bolsonaro, afirmou nesta Segunda-feira (2) que a discussão em torno da proposta de voto impresso auditável é uma “preocupação legítima do povo brasileiro”.

Além disso, o magistrado disse que não foi consultado pelo Tribunal Superior Eleitoral se ele concorda ou não com o tema.

Por meio de nota de esclarecimento, Nunes Marques declara:

“[…] o debate acerca do voto impresso auditável se insere no contexto nacional como uma preocupação legítima do povo brasileiro e que Sua Excelência, na condição de juiz, respeitará a expressão da vontade popular a ser externada pelo Congresso Nacional, foro adequado para tais debates, seja mantendo ou alterando a sistemática de votação e apuração de votos, nos termos da Constituição”, escreveu.

Confira abaixo a nota completa:

Fonte: Conexão Política

Compartilhe!

Este conteúdo está protegido contra plágio.