sexta-feira, 4 de dezembroAs principais notícias do Brasil e do Mundo
Partidos de esquerda protocolam pedido para que Bolsonaro compre vacina chinesa

Partidos de esquerda protocolam pedido para que Bolsonaro compre vacina chinesa


Nesta Quarta-feira, 21 de Outubro, o assunto que mais repercutiu nas redes sociais foi a decisão do Presidente Jair Bolsonaro recusar a compra de vacinas chinesas contra a Covid-19.

Na última Terça, o Ministro da Saúde Eduardo Pazuello conversou com os 27 governadores e estabeleceu um acordo para que fossem compradas 46 milhões de doses da CoronaVac.

Entretanto, Bolsonaro deixou bem claro que não quer esta vacina, e que o “povo brasileiro não será cobaia de ninguém”:

“A VACINA CHINESA DE JOÃO DORIA
Para o meu Governo, qualquer vacina, antes de ser disponibilizada à população, deverá ser COMPROVADA CIENTIFICAMENTE PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE e CERTIFICADA PELA ANVISA.
O povo brasileiro NÃO SERÁ COBAIA DE NINGUÉM.”

E completou:

“Não se justifica um bilionário aporte financeiro num medicamento que sequer ultrapassou sua fase de testagem.
Diante do exposto, minha decisão é a de não adquirir a referida vacina.”

Além de João Doria, os partidos de esquerda não ficaram felizes com a decisão do Presidente da República, e protocolaram projeto para que Bolsonaro compre as vacinas.

Primeiramente, a Rede Sustentabilidade protocolou uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para obrigar Bolsonaro a comprar a CoronaVac. Veja os argumentos do partido:

“[…] privar a população brasileira de uma possibilidade de prevenção da Covid-19 por puro preconceito ideológico ou, até pior, por motivações estritamente políticas”.

Além da Rede, o PT também se pronunciou contra Bolsonaro. O partido petista apresentou na Câmara um Projeto de Lei em que dois representantes do PT propõem alterações no Programa Nacional de Imunizações, com inclusão de ações compulsórias em relação ao combate à COVID-19.

O projeto é assinado por Enio Verri e Gleisi Hoffmann. Para eles, Jair Bolsonaro “tem atuado de forma contrária a todas as medidas de enfrentamento” da pandemia. Em trecho do documento, o mandatário do país ainda é chamado de “negacionista.”

Fonte: Pleno News e Revista Oeste