domingo, 20 de junhoAs principais notícias do Brasil e do Mundo
Vereador conservador encaminha denúncia ao STF que pede prisão de Ciro Gomes e Freixo

Vereador conservador encaminha denúncia ao STF que pede prisão de Ciro Gomes e Freixo

O vereador conservador de Belo Horizonte Nikolas Ferreira encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma denúncia pedindo a prisão de Ciro Gomes (PDT) e do Deputado Federal Marcelo Freixo (PSOL).

A denúncia foi encaminhada com base na Lei de Segurança Nacional (7.170/83), em que são previstas penas de prisão para “instigação de medidas violentas contra a vida e a segurança das autoridades públicas”.

Tal notícia-crime enviada pelo Vereador é em resposta à prisão do Deputado Federal Daniel Silveira, emitida pelo Ministro Alexandre de Moraes na última semana.

O magistrado usou a Lei de Segurança Nacional para justificar a prisão de Daniel Silveira. O motivo da prisão seria um vídeo postado pelo parlamentar no YouTube no qual haviam críticas contra os ministros do STF. Segundo Moraes, o vídeo supostamente instiga medidas violentas contra a seguranças das autoridades.

Utilizando o mesmo argumento de Alexandre de Moraes, Nikolas Ferreira denuncia ao STF um vídeo em que, a partir de 1minuto e 22 segungos, Ciro Gomes afirma o seguinte:

“Se ele tentar um golpe nós daremos a ele o destino que teve Mussolini. Eu, Ciro Gomes, assumo, como palavra de honra, que estarei na luta de um ou de dez ou de mil para dar a ele o destino de Mussolini”.

Lembrando que o ditador fascista foi preso e executado, e Ciro deseja o mesmo destino a Bolsonaro.

Da mesma forma, a notícia-crime pede a prisão em flagrante do Deputado Federal Marcelo Freixo com base em duas publicações do parlamentar no Twitter.

No dia 20 de Outubro de 2020, Freixo postou em sua rede social a seguinte frase: “BOLSONARO GENOCIDA”.

No dia 15 de janeiro, o parlamentar escreveu outro post: “É impeachment ou morte.”

Em ambos os casos, segundo afirma Nikolas, Freixo cometeu crimes. No primeiro caso, o crime de injúria jamais se aplicaria ao caso de Bolsonaro. E, no segundo caso, existe uma clara incitação à violência contra o Presidente da República.

Fonte: Gazeta Brasil

Compartilhe!