segunda-feira, 18 de outubroAs principais notícias do Brasil e do Mundo
Para desespero da Globo, Bolsonaro sanciona a Lei do Mandante e favorece os clubes de futebol

Para desespero da Globo, Bolsonaro sanciona a Lei do Mandante e favorece os clubes de futebol

O Projeto de Lei 2336/21 foi aprovado pelo Presidente da República Jair Bolsonaro no último dia 17 de Setembro, incluído nesta Segunda (20) no Diário Oficial da União.

A “Lei do Mandante”, como é chamada a PL, muda as regras de transmissão dos jogos de futebol no Brasil. Anteriormente, tanto o clube de casa quanto o visitante tinham direitos para escolher e negociar a transmissão dos jogos.

Com esta lei, agora os mandantes das partidas é que possuem os chamados direitos de arena, permitindo que o time da casa escolha a emissora televisiva ou mídia de preferência para fazer a transmissão do jogo.

Sendo assim, a Rede Globo, que até então domina esse mercado no país, poderá sair prejudicado.

O Projeto de Lei prevê a proibição de emissoras que transmitem os jogos patrocinem clubes e estabelece que 5% da receita dos jogos será distribuída, em partes iguais, aos jogadores (titulares ou reservas) em até 72 horas.

O relator da matéria no Senado, Romário, explicou em seu parecer que o PL cria uma regra específica para o futebol:

“Com o que propõe o projeto em análise, cria-se uma regra específica para a modalidade futebol, em que o direito de arena passa a pertencer somente à equipe mandante de campo. Isso gera a possibilidade de que um time negocie diretamente com emissoras e empresas de mídia interessadas todas as partidas de uma competição em que for mandante”, explicou o relator.

A partir de agora, os clubes que detêm o mando de campo possui autonomia plena para negociar com outras empresas, independentemente de acordos feitos pela equipe visitante.

Clubes como o Fluminense e Flamengo possuem no YouTube seus próprios canais (Fluminense TV e Flamengo TV respectivamente), e com essa lei agora os clubes poderão utilizar suas plataformas para transmitir as partidas, não ficando mais “reféns” das emissoras televisivas.

Fonte: Conexão Política

Compartilhe!

Este conteúdo está protegido contra plágio.